O Poker e os negócios: o que as cartas têm a ensinar aos empreendedores?

Um dos maiores cases de sucesso da Internet é, sem dúvida, a loja online Zappos. Muitas pessoas não a conhecem, então para ser mais didática, quando comento sobre ela falo que ela é a NetShoes dos Estados Unidos. Dadas às devidas proporções, a Zappos é a maior loja de calçados do mundo.

A Zappos tem como CEO hoje Tony Hsieh, um homem com descendência asiática que sempre teve muito sucesso em seus empreendimentos e vendeu sua loja de calçados online pela bagatela de US$1,2 bilhões de dólares para a Amazon, outro case de grande sucesso no e-commerce.Há alguns dias tive a felicidade de receber em minha casa um exemplar do best-seller Delivering Happinnes, uma autobiografia de Hsieh que conta como o jovem empreendedor conseguiu, junto com outros jovens empreendedores, construir um dos maiores e-commerces do mundo.

O livro foi enviado de graça para mim, depois que me inscrevi no site. Um dos grandes trunfos da Zappos foi focar na qualidade do atendimento dado aos seus clientes e eu vi que eles valorizam as pessoas com atitudes simples. Enquanto as lojas brigam (e perdem) com seus clientes por centavos, a Zappos leva (e faz) o jargão “o cliente sempre tem razão” a patamares espetaculares.

Mas isso é outra história que pretendo contar em outro momento, assim que terminar de ler o livro. Aliás, recomendo o Delivering Happiness para todos os empresários e líderes que precisem atender bem os seus clientes, apesar disso ser uma regra básica em qualquer negócio.

O Poker e os negócios

Um dos trechos mais interessantes do livro (até onde eu li) é quando o autor fala da ligação entre o Poker e os negócios. Depois de ter vendido uma de suas empresas para a Microsoft por uma fortuna, Hsieh criou um fundo de investimentos e começou a investir em várias startups, uma delas era a Zappos. Enquanto a empresa estava começando e Hsieh não se preocupava mais com dinheiro, ele começou a se aventurar pelo Poker.

Após ter algumas aulas pela Internet, ele decidiu se arriscar em mesas de verdade. Começou na Califórnia e foi parar em Las Vegas. Com esta experiência, o autor criou várias ligações entre o jogo de cartas e o jogo dos negócios.

Em vários tópicos, Hsieh apresenta suas relações na área de: Oportunidades de Mercado, Marketing e Branding, Finanças, Estratégia, Aprendizado e Cultura. A partir disso, apresento as relações feitas pelo autor entre Poker e Negócios e como os empreendedores podem aprender a se comportar no jogo das corporações.

Avaliar oportunidades de mercado

  • A decisão da mesa (negócio) é a decisão mais importante que você faz;
  • Tudo bem mudar de mesa se você descobrir que é muito dificil vencer na sua;
  • Se há muitos competidores, mesmo você sendo o melhor, é difícil vencer.

Marketing e Branding

  • Aparente ser fraco quando você é forte e aparente ser forte quando você é fraco. Saiba quando blefar;
  • Sua “marca” (imagem) é importante;
  • Ajude a construir (moldar) as histórias que as pessoas estão contando sobre você (ou sua empresa).

Finanças

  • Sempre esteja preparado para o pior cenário possível;
  • O cara que vence todas as mãos (rodadas) não é o cara que fará mais dinheiro ao longo do tempo;
  • O cara que nunca perde uma mão não é o cara que fará mais dinheiro ao longo do tempo;
  • Vá para onde você acha que é certo, não para onde apresenta menos risco;
  • Tenha certeza de que suas reservas financeiras são suficientes para o jogo que você está planejando e os riscos que você está tomando;
  • Jogue apenas com o que você pode perder;
  • Lembre-se que é um perde-ganha, mas o que acontece com o passar do tempo é o que importa.

Estratégia

  • Não jogue jogos que você não entende, mesmo que você veja que outras pessoas estão ganhando dinheiro com eles;
  • Entenda o jogo enquanto as apostas não estão elevadas;
  • Não trapaceie. Trapaceiros nunca vencem com o passar do tempo;
  • Mantenha seus princípios (valores);
  • Você precisa ajustar seu estilo de jogo ao longo da noite na medida em que o jogo se torna mais dinâmico. Seja flexível;
  • Seja paciente e pense em longo prazo;
  • Os jogadores com maior perseverança e focos geralmente vencem;
  • Diferencie-se. Faça o contrário do que a mesa (mercado) está fazendo;
  • Esperança não é um bom plano;
  • Não se deixe entrar em “tilt”. É muito mais benéfico dar uma pausa, descansar ou acabar o jogo naquela noite.

Aprendizado contínuo

  • Eduque-se. Leia livros e aprenda com quem já fez isso antes;
  • Aprenda fazendo. Teoria é legal, mas nada substitui o fazer;
  • Aprenda tendo ao seu redor bons jogadores;
  • Só porque você venceu não significa que você não tem mais nada a aprender. Você pode ter tido um pouco de sorte.
  • Não tenha medo de pedir ajuda.

Cultura

  • Você precisa amar o jogo. Para se tornar realmente bom, você precisa dormir e acordar pensando nele;
  • Não seja arrogante. Não seja chamativo. Sempre há alguém melhor do que você;
  • Seja legal e faça amigos. Esta é uma comunidade pequena;
  • Compartilhe o que você aprendeu com os outros;
  • Procure por oportunidades no lugar onde você escolheu jogar. Você nunca sabe quem você poderá encontrar, incluindo novos amigos ou contatos de negócios;
  • Divirta-se. O jogo é muito mais divertido quando você não está apenas tentando ganhar dinheiro.

Anotou tudo? É, uma aula de autoajuda misturada com consultoria em felicidade e mercado. Apesar de eu não concordar com alguns pontos, como “Faça o contrário do que o mercado está fazendo”, achei a ligação entre Poker e negócios mais do que oportuna. Apesar de conhecer muito pouco ainda sobre bussiness e nada sobre Poker, o que vivi até aqui permite afirmar que as ligações entre estes dois jogos têm muita coerência.

Ah, acredito que o sistema de envio de uma cópia free está valendo. Clique aqui e peça a sua. o/

E você? O que achou dos apontamentos feitos pelo CEO da Zappos? Concorda?

Até Mais!

 

Comentários

  1. “Faça o contrário do que o mercado está fazendo” – entendo um pouco de poker e nada de business xD

    Mas acho que ele tentou dizer, “é pouco provável que alguém na mesa tenha uma mão parecida com a sua”. Cada um joga com uma carta diferente e isso interfere na decisão a ser tomada.

    É uma dica, para encorajar e não apenas deixar que a maré ou a direção do vento escolha o destino.

    1. CamilaCamargo disse:

      Oi André. Valeu pelo comentário. =D

      Pois é, por isso que disse que não concordei com essa parte. Sei lá, às vezes inovar é bom, mas ver o que os outros estão fazendo e fazer melhor pode ser melhor do que “pirar o cabeção”. Pode ser que ele tenha dito isso (e eu traduzi errado) hauahauh, mas concordo com você de que cada negócio ou rodada são cartas diferentes, cada um tem suas particularidades. Espero que tenha curtido o post.

      Um abraço!

  2. [...] compartilharem suas fotos. Escolha “o fã do mês ou da semana” e compartilhe isso com todos (a Zappos faz isso e com muito [...]

  3. [...] a leitura do livro “Satisfação garantida”. Conta a história da Zappos, a maior loja de calçados do mundo e que tem como expertise o bom atendimento aos seus clientes. [...]

  4. Camila, seria coincidência isso? Terminei de ler “Delivering Happiness”, por indicação do meu ex-chefe, na última segunda-feira. Afirmo e reafirmo: um dos melhores livros que já li! É mais do que uma aula: é um curso sobre cultura, inovação e empreendedorismo (longe dos chavões que cercam esses termos). O livro, inclusive, me ajudou a ter a certeza do que quero fazer (continuar fazendo, aliás) daqui para frente. E mais: aumentou as idéias para o TCC. Quando li o nome do post, nem sabia que se tratava sobre o livro, mas lembrei dele na hora! É um livro que quero ter em minha estante e levar as ideias para a vida, sem sombra de dúvida!! 

    1. Anônimo disse:

      Oi Felipe. Com certeza, Delivering Happiness é um livro essencial para qualquer negócio, não só o mercado online. Como comentei no texto, eu ganhei o livro da Zappos e, com este simples gesto, a empresa mostra que se importa com pessoas, não apenas com seus clientes. Li uma frase ontem em um livro que dizia: “O cliente sempre tem razão, as pessoas não”. De certa forma, é isso que vemos todos os dias nas redes sociais e no perfil das empresas. Que bom que você gostou do texto e, vale lembrar que estas informações se aplicam em vários lugares, não só nos negócios. Compre o livro, vale muito a pena.

      1. Meu ex-chefe me emprestou o dele (uma versão marrom, diferente da tua). Agora eu quero comprar o meu. Vale muito a pena mesmo, não só profissionalmente, mas pessoalmente. É um daqueles livros que realmente vale a pena expôr na estante da sala, hehe! Aproveitei e indiquei os 2 posts que você fez sobre a Zappos para meu ex-chefe (*ele continua na empresa, tá? só que com outro cargo =P)

      2. Camila Camargo disse:

        Ah, deve ser a versão em português, que as caixa são marrom. Ah, muito obrigada por indicar os posts, espero que ele goste.

        =D