Ou navegue pelas categorias

Vídeos

Deep fake: saiba o que é e se você está sendo enganado

Entenda o que são os vídeos deep fake e como estão ganhando a internet e confundindo os internautas. Aprenda como se proteger dessas fraudes

deep fake

O deep fake é um recurso oriundo da inteligência artificial que permite a criação de vídeos falsos. Diferentemente do que você está pensando, esses vídeos parecem ser muito realistas, levando algumas pessoas a realmente acreditarem em seus conteúdos.

Ou seja, o deep fake não é uma mera edição de vídeos. Com ela, é possível recriar pessoas em uma filmagem, fazendo coisas que elas não fizeram ou falaram, por exemplo.

Claro que alguns conteúdos são meramente divertidos. Como um vídeo em que o presidente Donald Trump dos EUA faz uma performance musical ao lado da sua então concorrente Hillary.

Acontece que, na maioria das vezes, esse recurso é utilizado de maneira criminosa. Isso acontece, principalmente, com pessoas públicas.

A técnica já foi utilizada desde contextos políticos até vídeos pornográficos.

Continua depois da publicidade

Por isso, é muito importante que você conheça essa técnica e saiba diferenciar as produções artificias de fatos reais. Afinal, é muito chato espalhar notícia falsa por aí, não é mesmo?

Além do mais, isso pode prejudicar a sua imagem e a do seu negócio, caso venha compartilhar esse tipo de material. A dica é sempre conferir a fonte e a veracidade dos conteúdos que você deseja reproduzir.

Saiba Mais: conheça 4 aplicativos gratuitos para legendar vídeos

Deep Fake: onde surgiu?

O termo deep fake surgiu primeiramente na comunidade Reddit, que é uma rede social para compartilhar conteúdos. Em 2017, um usuário com o nome Deepfake usou a comunidade para compartilhar vídeos pornográficos utilizando rostos de famosas. Claro que as celebridades escolhidas nunca foram atrizes pornô.

Logo, o termo se popularizou na internet e passou a nomear produções que utilizam esse tipo de tecnologia.

Deep Fake: como são criados

Para a criação dos deepfakes, o usuário precisa utilizar um software de código aberto, como o Tensorflow, criado pelo Google. Esses sistemas são voltados para o aprendizado de máquina, ou seja, machine learning.

Para criar o vídeo falso, o programador alimenta o programa com várias imagens e vídeos de uma pessoa que ele deseja “clonar” a face. Logo, o computador começa a processar essas imagens até aprender tudo sobre aquele rosto.

Pronto! A máquina já sabe como aquele rosto se movimenta, como ele reage a luz, como a boca abre e tudo mais. Depois que o computador aprendeu, um rosto artificial é criado e basta transportá-lo para o vídeo que deseja editar.

Isso parece um processo complexo e que existe muito conhecimento, porém não é. Quando surgiram as deepfakes, realmente era necessário entender sobre programação para alimentar o software e realizar as edições.

Hoje, qualquer usuário pode criar sua deep fake com ajuda de um aplicativo. Já existem vários apps disponíveis no mercado, como o Reface App, que popularizou a produção e distribuição de deep fakes nas redes sociais.

Deep Fake: dilemas sociais

A inteligência artificial está cada vez mais desenvolvida e criando funções que não imaginaríamos que existiriam há 5 anos. A deep fake é uma dessas criações.

Assim como acontecem com as fake news, os vídeos manipulados por tecnologia artificial vêm convencendo muitas pessoas.  Nem todos tem acesso à informação e conhecem o que rola no mundo da tecnologia, sendo facilmente enganados por esse tipo de conteúdo.

Para potencializar ainda mais o efeito negativo, redes sociais como WhatsApp e o Facebook de Mark Zuckerberg são fontes massivas de distribuição de deepfakes, onde muitos usuários não conseguem discernir o que é vídeo real do vídeo com edições.

Nossa dica para reconhecer um deep fake é prestar atenção nos movimentos dos olhos. Normalmente, os programas não conseguem reproduzir com satisfação as piscadas e olhares.

Além do mais, é bom desconfiar sempre que um vídeo envolver um assunto polêmico com uma pessoa famosa. Aqui, vale a pena pensar: se essa pessoa realmente tivesse feito tal coisa, já não estaria sendo noticiado nos jornais?

Deep Fake: o uso para o bem

Nem tudo está perdido! A maioria das invenções tecnológicas foram criadas para serem úteis. O problema é quando elas caem nas mãos de pessoas mal-intencionadas.

Continua depois da publicidade

Saiba Mais: Livro Uma Terra Prometida por Barack Obama

Voltando ao nosso tema, a tecnologia de aprendizado já é utilizada por todos nós. A Apple e a Samsung já utilizam a tecnologia na criação de emojis, onde os usuários podem adaptar suas figurinhas de acordo com o seu avatar.

Filtros do Instagram e também do Snapchat utilizam o recurso para divertir os seus usuários. É o caso das opções de mudar de rosto com um amigo ou até mesmo ver como você ficaria na versão sexo oposto.

O mercado tecnológico prevê o aperfeiçoamento do deep learning. Em um futuro próximo, é possível que esse recurso ajude as filmagens cinematográficas com efeitos especiais, por exemplo.

Deep Fake: como se proteger?

Em geral, todos estamos suscetíveis a acabar presos em um deep fake. Porém existem alguns cuidados que você pode tomar para se proteger.

O principal é: evite compartilhar seus vídeos com estranhos, ou publicá-los de forma aberta em suas redes sociais. Sem uma base de dados extensa é mais difícil recriar o seu rosto com perfeição.

Além do mais, você pode fazer parte do outro lado da luta. Se ao receber um vídeo, conseguir identificá-lo como um deep fake, não compartilhe!

Essa é a melhor forma de combater conteúdos falsos na internet.

Agora, para finalizar nosso conteúdo, me diz se você já conhecia o termo deep fake? Caso positivo, deixa um “joinha” para nós aqui nos comentários.

Continua depois da publicidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Artigos Relacionados

Artigos patrocinados

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial