Ou navegue pelas categorias

SEO

O que é SEO, como funciona e 4 ferramentas para usar

Aprenda o que é SEO e como começar a usar para colocar o seu negócio no topo do Google. Confira também 4 ferramentas que vão te ajudar

O que é SEO

Hoje vamos ensinar o que é SEO e o que você precisa fazer para estar no topo das buscas do Google.

Se você tem um site ou produz conteúdos para a internet, certamente já deve ter se perguntado sobre como colocar sua página entre os primeiros resultados dos buscadores.

Estar entre os primeiros resultados na busca orgânica do Google significa mais visitas para o seu site, mais visibilidade para o seu conteúdo e, consequentemente, mais vendas.

Mas, para alcançar essas posições tão almejadas, é preciso muito trabalho. Não basta ter um bom conteúdo, é preciso usar diversas técnicas e estratégias. Como já se disse: hard work!

Uma delas é o que chamamos de SEO.

Você pode gostar...

O que é SEO?

SEO é a sigla usada para Search Engine Optimization ou, em português, otimização para mecanismos de buscas.

Trata-se de um estratégia de marketing digital que prepara os sites e conteúdos para serem “lidos” pelos rôbos do Google e de outros buscadores.

É um conjunto de técnicas que visa rankear conteúdos entre os primeiros resultados ou melhorar o seu posicionamento nas pesquisas.

Como o SEO funciona?

Milhares de pesquisas são feitas a cada segundo no Google. Para atender de forma satisfatória, o buscador precisa retornar resultados relevantes para os usuários.

Para que isso aconteça, a ferramenta organiza todos os conteúdos que conhece em uma espécie de ranking.

Esse ranking leva em consideração diversos fatores como: tamanho do conteúdo, relevância do domínio e data de publicação, por exemplo.

Então, com base na pontuação recebida em cada um dos fatores de análise, o buscador filtra qual conteúdo tem a melhor resposta para determinada busca.

Saiba Mais: Introdução ao SEO: seu guia rápido às práticas eficientes de SEO

Ou seja, se você quer que o seu site ou conteúdo esteja entre os primeiros da Search Engine Results Page (SERP), precisa prepará-lo para isso.

Você precisa saber como usar as técnicas de SEO para garantir que o seu material será avaliado da melhor maneira possível pelo buscador.

Precisará provar para ele que o seu conteúdo merece estar entre os primeiros.

Como funcionam os motores de busca

Os motores de busca são ferramentas que fazem a ponte entre pessoas e sites.

Eles facilitam a navegação na internet, mostrando para os usuários onde estão os conteúdos que eles procuram.

Atualmente, o maior e principal buscador do mundo é o Google. Mas quando falamos em motores de busca, consideramos também outros sites como Bing e até o YouTube.

Esses motores funcionam, basicamente, em 3 etapas:

1. Crawling ou rastreamento: é a fase de varredura. Aqui, os robôs, também chamados de Spiders, navegam vasculhando os sites em busca de novas páginas ou atualizações. Ao encontrarem, enviam os dados para a indexação.

Você pode gostar...

Esses rôbos, fazem esse rastreamento com base em uma frequência definida por algoritmos. No caso do Google, o nome dado ao responsável pela varredura é Googlebot.

2. Indexação: depois de procurar e encontrar novas páginas, chega-se a fase de indexação.

Aqui, a ferramenta avalia os fatores de busca e inclui as páginas rastreadas em seu índice.

São indexadas informações como: data da atualização, título, descrição do conteúdo, tempo de carregamento da página etc.

3. Busca: por fim, chegamos na fase onde acontecerá o rankeamento. É nesse momento que, com base nas informações indexadas, o buscador define quais resultados são mais relevantes para cada usuário.

É aqui que efetivamente vemos os frutos do trabalho de SEO.

Fatores de rankeamento

O Google não divulga abertamente quais são os fatores que o seu algoritmo considera no rankeamento dos resultados de busca.

Contudo, pesquisas realizadas pelo mercado indicam quais ações geram impactos positivos ou negativos no posicionamento.

Estimasse que, ao todo, o buscador considere mais de 200 fatores de rankeamento.

Os fatores estão divididos em: on-page e off-page.

Você pode gostar...

Fatores de rankeamento on-page

Os fatores on-page são aqueles encontrados na própria página do conteúdo a ser rankeado. São elementos como:

  • Título;
  • URL;
  • Meta descrição;
  • Imagens.

O buscador usa esses fatores para entender qual é o assunto abordado pelo seu conteúdo. Com base neles, o algoritmo avalia se o seu conteúdo responde ou não a dúvida do usuário.

Fatores de rankeamento off-page

Os fatores off-page tem como objetivo avaliar se o seu site é confiável e relevante. São elementos como:

  • Backlinks;
  • Menções à marca;
  • Buscas diretas.

Ou seja, se um site é muito citado por outros ou se o buscador recebe muitas buscas diretas por ele, o algoritmo entende que aquele conteúdo é relevante.

Uma estratégia muito usada para aumentar sua relevância nesse quesito é fechar parceiras com outros sites ou blogs.

Assim, você linka o conteúdo do parceiro em seu site e ele linka o seu. Com isso, ambos ganham relevância por meio dos backlinks.

Como começar a aplicar SEO no seu negócio

Agora que você já sabe o que é SEO e como funciona, deve estar se perguntando como aplicá-lo na estratégia de marketing digital da sua empresa.

Pois bem, separamos aqui alguns fatores on-page importantes que você deve começar a ficar de olho para melhorar o posicionamento dos seus conteúdos.

1. Conteúdo de qualidade

O primeiro ponto é começar a criar conteúdos de qualidade e que efetivamente resolvam as dúvidas dos usuários.

A ideia é focar em materiais ricos, com muita informação e que mostrem ao Google que você merece estar entre os principais resultados nas buscas.

Você pode gostar...

2. Tamanho do conteúdo

Há muitas dúvidas e opiniões diversas sobre o tamanho ideal que uma publicação deve ter.

De modo geral, entende-se que a partir de 300 palavras, os conteúdos já começam a ser tornar relevantes para os motores de busca.

É claro que tudo depende, pois há conteúdos que rendem muito mais do que isso. O importante é não ficar apenas “enchendo linguiça” só para ter um texto grande.

3. Palavra-chave

As palavras-chave são o norte de todo o trabalho de SEO. São elas que dão o direcionamento ao conteúdo e que ajudam na indexação do conteúdo.

O Google e demais buscadores estão de olho nelas e você também pode ficar.

A ideia é focar em palavras-chave que façam sentido para a sua persona e que, além disso, ajudem o Google a definir sobre o que o seu conteúdo trata.

Para isso, é importante que sua palavra-chave escolhida esteja no título, na URL e que apareça algumas vezes ao longo do texto.

Saiba Mais: Comentários nas redes sociais: duas formas fáceis de responder clientes

Porém, cuidado! Há quem encha os conteúdos com a palavra-chave, mesmo sem ela fazer sentido no contexto do material. Isso é muito ruim e pode te prejudicar.

O Google monitora o uso incorreto das palavras-chaves, por isso, não force a barra. Deixe que as palavras se encaixem de forma natural nos seus textos.

4. Títulos

Nesse ponto, temos que olhar para dois títulos: o interno e o SEO.

Você pode gostar...

O título interno é aquele que aparece dentro do conteúdo de uma página. Pode ser curto ou longo, o importante é que ele cumpra a missão de manter o público na página.

Já o título SEO é que aparece nos motores de busca.

Ele precisa ser como uma manchete de jornal. Chamativo o bastante para fazer com que os usuários cliquem no seu link e acessem o seu conteúdo.

Ele precisa ser direto e ter até 60 caracteres. Além disso, é importante que ele contenha a palavra-chave do conteúdo o mais a esquerda possível.

5. URLs

Outro fator que devemos ter cuidado é com as urls ou endereços dos conteúdos. Eles também são chamados de slug e é o que aparece na barra de pesquisa dos navegadores.

Essas urls precisam ser o mais limpas e claras possível. Além disso, para ajudar no rankeamento, devem ter até 75 caracteres e conter a palavra-chave do conteúdo.

6. Subtítulos

Também chamadas heading tags, os subtítulos devem ser considerados por quem quer saber o que é SEO e melhorar o rankeamento no Google.

Elas ajudam a tornar a leitura do seu conteúdo mais agradável e fluída. Além disso, mostra para o motor de busca que o seu material tem scaneabilidade.

7. Tempo de permanência na página

Se você tem um site e usa ferramentas como o Google Analytics para mensurar as suas visitas, já deve ter percebido uma métrica que mostra quanto tempo os usuários passam em média na sua página.

Essa métrica ajuda os buscadores a definir a relevância do seu conteúdo. Se as pessoas entram e saem rapidamente, pode significar que você não está respondendo as dúvidas delas ou que seu conteúdo/site é pouco atrativo.

Você pode gostar...

8. Mobile friendly

Os motores de busca também verificam se o seu site possui design responsivo. Ou seja, se ele se adequa a dispositivos móveis.

Cada vez mais as pessoas estão deixando o desktop de lado e usando celulares e tablets para navegar online. Por isso, é preciso que seu site esteja preparado para atender esse tipo de visitante.

9. Meta descrição

É aquela descrição rápida que aparece nos motores de busca logo abaixo do título de SEO.

Ela geralmente complementa o título, trazendo mais informações sobre o que é abordado no texto.

Também é recomendado que contenha a palavra-chave. Além disso, para que não apareça cortada nas pesquisas, deve ter 150 caracteres, no máximo.

O que não fazer: Black Hat

O algoritmo do Google está sempre sendo melhorado e atualizado para proporcionar a melhor experiencia para os usuários.

Com isso, ele também está sendo aprimorado para barrar conteúdos inadequados, duvidosos e de baixa qualidade.

O Google não quer ter entre os seus resultados sites não confiáveis. Por isso, pune páginas em que práticas chamadas de Black Hat foram aplicadas.

Esses práticas tem como objetivo enganar o algoritmo e forçar o rankeamento das páginas sem qualidade.

Algumas práticas comuns de Black Hat são:

Você pode gostar...
  • Spam nos comentários: sites em que os responsáveis enchem outros sites de comentários com seus links para forçar backlinks;
  • Textos ocultos: páginas que usam textos ocultos para os usuários, mas visíveis para o robô do Google;
  • Keyword stuffing: páginas nas quais a palavra- chave é usada de maneira excessiva.

Por isso, cuidado! Se você encontrar dicas de SEO como essas, não as siga. Elas vão fazer com que o seu conteúdo seja punido pelo buscador.

Se você quer ter suas páginas no topo da busca, crie os seus conteúdos de acordo com as diretrizes do Google.

Sabemos que fazer SEO não é um trabalho fácil, mas se feito da maneira correta, pode gerar bons frutos para o seu negócio.

Já te ensinamos o que é SEO e como trabalhar alguns fatores para começar a melhorar o rankeamento dos conteúdos. Agora, é hora de mostrar algumas ferramentas que podem te ajudar nesse processo.

4 ferramentas para SEO

1. Google Search Console

Permite que você cadastre o seu site para que o Google avalie se está tudo de acordo com ele para ser rankeado.

Ele emite alertas quando algo está errado e ainda possui uma ferramenta que permite inspecionar páginas para ver se há algum erro nelas ou para que você possa avisar o buscador que ela foi atualizada.

2. SEMrush

É uma das ferramentas mais completas do mercado quando o assunto é o que é SEO e Inbound Marketing.

Com ela, você gera relatórios, planeja sua estratégia e ainda encontra dicas para novos conteúdos.

Você pode fazer pesquisas por palavra-chave, descobrir quais as próximas tendências e quem são os seus principais concorrentes nas buscas.

3. Key Search

Semelhante ao SEMrush, o Key Search é uma boa ferramenta, que permite que você busque por palavras-chave e avalie qual a relevância delas nas buscas.

Você pode gostar...

Mostra ainda quais são os primeiros conteúdos para cada termo e conta com um auxiliar de criação.

Nele, você encontra quantidade de palavras e quais palavras o seu texto deve ter para que concorra a um dos primeiros lugares na SERP.

4. Rank Math SEO

É um plugin para blogs WordPress que ajuda a configurar todos os fatores de SEO on-page.

Ele mostra se o seu texto está com uma quantidade de palavras-chave adequada, se falta imagem ou vídeo no conteúdo e se seus títulos estão corretos, por exemplo.

Com isso, dá uma nota de 0 a 100 para o SEO do seu conteúdo. Acima de 85 pontos, já significa que seu conteúdo está muito bom.

E aí, agora que você já aprendeu o que é SEO, está preparado para dar os primeiros passos rumo ao topo do Google?

Lembre-se, esse não é um trabalho fácil. Porém, pode ser muito recompensador, pois pode gerar mais visitas e vendas para o seu negócio.

Você pode gostar...

Você também pode gostar

Você pode gostar...

Artigos Relacionados

Artigos patrocinados

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial